Erros “infantis” na Copa viram exemplo, e Grêmio “usa a cabeça” para furar retranca

Erros “infantis” na Copa viram exemplo, e Grêmio “usa a cabeça” para furar retranca

19/07/2018 às 09:30 Vista: 57 Vez(es)

Os gols do Grêmio na vitória por 2 a 0 sobre o Atlético-MG, na noite de quarta-feira, não saíram a partir de uma grande jogada coletiva, com troca de passes e envolvimento do adversário. Mas nem por isso foram menos trabalhados ou não tiveram o dedo da comissão técnica. O Tricolor “usou a cabeça” e coroou a atuação com a influência da bola parada na Copa do Mundo.
+ Renato se surpreende com atuação em vitória sobre o Galo
Não é comum ver o Grêmio balançar as redes pelo alto. Antes da parada no calendário, o time de Renato Portaluppi sofria para transformar o domínio nas partidas em gols. Mas Bressan e André utilizaram o mesmo artifício para furar a retranca mineira na Arena. O zagueiro, em movimento ensaiado, completou cruzamento de Luan no início do segundo tempo.

O gol do centroavante tem uma faísca de improviso, mas também nasceu em uma falta, cobrada rapidamente por Ramiro. Léo Moura se desprendeu com liberdade para cruzar praticamente com a mão na cabeça de André.

A inspiração veio de uma bateria de vídeos com lances da Copa do Mundo. Neste ano, houve uma profusão de gols em pênaltis, escanteios e cobranças de falta – foram 70 em 64 partidas na Rússia. Além destas jogadas, Renato pediu para os analistas de desempenho separarem erros “infantis” cometidos no Mundial.

– Eu respeito o estudo de todo mundo. Mas tenho a minha maneira de explicar do jeito que os jogadores gostam de aprender. Durante a Copa, pedi que o pessoal filmasse gols, erros e jogadas. Porque na Copa do Mundo tem os melhores jogadores, e cometeram erros infantis que o meu grupo não comete. Por isso temos a melhor defesa. Quem fala que sabe tudo, não sabe nada. Aprendi muito vendo a Copa do Mundo – explicou Renato.

O efeito de Geromel na Rússia
A bola parada foi a cereja de um bolo consistente. O Grêmio controlou o Galo, então vice-líder do Brasileirão, e fez de Marcelo Grohe um mero espectador da partida. Em um primeiro tempo com Maicon como regente, sem espaço para lamentar a ausência de Arthur, houve poucas chances contundentes.

“Fizemos gol de cabeça (contra o Atlético-MG), e vários jogos (da Copa do Mundo) foram decididos pela bola parada. A gente trabalha, a gente ensina, e eu aprendo também”. (Renato)

Como em jogos anteriores, os gaúchos tiveram posse de bola, mas não conseguiam profundidade. Em dois lances pelo alto já no segundo tempo, resolveram o problema e poderiam ter marcado o terceiro se Luan não desperdiçasse um pênalti sofrido por Everton, veja só, após cobrança de escanteio.

Além de aprender com a Copa, Renato contou com um enviado mais do que especial à Rússia. Conforme o treinador, Geromel voltou com “outra cabeça” do período com a seleção brasileira. E, como uma das lideranças do grupo gremista, o zagueiro fez questão de disseminar a experiência junto a Neymar e companhia com o restante do elenco.

– Tive experiência com os melhores do mundo e a oportunidade de passar para o nosso grupo. Nosso time é muito qualificado e mostrou isso. Vamos passo a passo – disse Geromel na saída de campo.
Sem Maicon, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, o Grêmio deve ter Jailson no domingo, contra o Vasco, em São Januário. A reapresentação ocorre nesta quinta-feira, à tarde, no CT Luiz Carvalho. Kannemann, com virose, ainda é dúvida para a próxima rodada.

O post Erros “infantis” na Copa viram exemplo, e Grêmio “usa a cabeça” para furar retranca apareceu primeiro em Polêmica Paraíba.

VIA: Polêmica Paraíba

Deixe seu comentário