“Avulsas Inoportunas” em exposição na Galeria de Artes Irene Medeiros, em Campina

“Avulsas Inoportunas” em exposição na Galeria de Artes Irene Medeiros, em Campina

07/07/2016 às 08:30 Vista: 241 Vez(es)

Foto: Divulgação

A Galeria de Artes Irene Medeiros, no Teatro Municipal Severino Cabral, em Campina Grande/PB, está expondo até o dia 5 de agosto “Avulsas Inoportunas”, da artista e pesquisadora de artes urbanas e em especial Sticker Art e Posters Alessandra Cunha, graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia/MG.

“Avulsas Inoportunas” mostra 14 pinturas de acrílica sobre tela, sem chassis e sem molduras, descritas pela artista como “páginas de um diário que se soltaram e flutuam agora entre paredes, onde o observador precisa mudar sua forma de olhar, pois, nestas páginas escrevo textos invertidos (espelhados) como em matrizes de gravuras. E para ler sem dificuldades é necessário utilizar espelhos e ficar de costas para as pinturas”.

Alessandra explica que em toda sua pesquisa pictórica há a inserção de palavras como senhas direcionais para as imagens, destacando fatores de cidadania. Para estas 14 pinturas as palavras estão ao extremo, formando textos, contando histórias. O figurativo que habita as composições são os mais cotidianos possíveis, são símbolos, linhas e rabiscos aleatórios.

Foto: Divulgação

“As imagens formulam-se a partir de manchas cinza disformes entrepostas por linhas e desenhos executados na cor preta. Soterrados por manchas azuis que ora cobre, ora revela informações em transparência. Há para cada pintura, uma cor quente demarcando o espaço retangular pintado de branco, para receber textos manuscrito em preto. Textos que deveriam ser secretos, pertencentes a relatos diários de cadernos lacrados por cadeados”, comenta a artista.

A visitação acontece de terça-feira a sábado, das 8h às 21h. No local estão disponíveis pequenos fragmentos de espelho retangular, para as pessoas utilizarem para se virar de costas para as pinturas e poder ler os textos com facilidade, capturando as mensagens no reflexo do espelho.

“Mas, os espelhos não são parte fundamental, ou seja, as pinturas podem ser lidas sem eles, ou podem permanecer com seus textos indecifráveis, tudo depende da capacidade do espectador se assumindo ou não como leitor”, explica Alessandra Cunha.

VIA: Paraiba Online

Deixe seu comentário